Archive for abril \13\UTC 2009

Phantom of the Opera

abril 13, 2009

Pós páscoa!

Dá pra estudar inglês com esse filme Cristine!

(file original, de 1943)

Anúncios

Commercial Gucci by Gucci – David Lynch

abril 7, 2009

É tão bonito que eu sofro olhando.

Aliás, você aí, entende David Lynch?

VOCÊ RESPONDE?

abril 3, 2009

glauber-ultimo1Recebemos o senguinte comentário no post:

 “como faço pra ter uma carreira fora do brazi. quero mto tentar ser alguem. quero ser o exemplo da familia . eu queria msm ser ator. fazer filmes …..meu tel88xx-xxxx”

Um dia de uma tarde ensolarada na Cinemateca Catarinense li na orelha de um livro empoeirado:

“Fazer cinema no Brasil é mais ou menos como ser violinista na Bolívia, dançarino no Paraguay ou astronauta no Chipre”

Jorge Furtado.

A grande pergunta da pessoa que escreveu é uma das perguntas irrespondiveis do mundo. A outra é: “O que é um bom diretor?”

glauber_rocha_3camera_031

              

FALA PRA MIM GLAUBER!

É tudo verdade. Coutinho e cinema Iraniano.

abril 1, 2009

moscou21

 

 

 

O Festival É Tudo Verdade vai começar.

Infelizmente esse ano não poderei ir. Me dói principalmente por que lá estará o novo documentário de Eduardo Coutinho, que entre tantos realizou o Edifício Master (tem na locadora tá?). E entre tantos, Edificio Master não é meu preferido, mas é o preferido de muita gente, já que foi muito copiado.

Após Edificio Master o documentarista lançou seu documentário sobre o sertão. Gente, não lembro o nome do filme, mas o incrível foi que pela segunda vez (depois de Glauber Rocha) eu conheci de perto o que é ser um sertanejo. A realeza da cinematografia é sentida quando o espectador, frente a tela, reconhece e se reconhece na imagem em movimento. Eu me reconheci no sertão um pedaço do que sou vivendo no Brasil. Mas vou guardar um post para esse filme quando descobrir o nome dele, ok?

Voltando ao Coutinho, ao Tudo É Verdade e ao Cinema Iraniano:

coutinhoO ultimo longa de Coutinho, intitulado “Moscou”, fala de do ensaio de um grupo de teatro mineiro. O interessante, além do texto da peça ser “Três Irmãs”, de Tchecov, é durante o longa muitas vezes o espectador não sabe o que é encenação, e o que é “verdade”.

Vindo da premissa que aqui, tudo é verdade, há como confundir o espectador que se propõe a ir ao cinema sem a pré-leitura da sinopse da programação. E quando o espectador é questionado sobre qual “verdade” acreditar, temos aí outra grande função da sétima arte: o papel social de fazer um ser pensante usar seu cérebro por uma causa nobre: ele mesmo. E para o diretor? O que faz do diretor, que brinca de Deus, manipular uma situação para seu cliente (ou seja, a pessoa que vai ver o filme) experimentando o poder da câmera na mão?  Um dia vou perguntar isso para ele.

makhmalbaf2Quando estava na escola de cinema, assisti o “Salve o Cinema”( Mohsen Makhmalbaf, 1995). Um filme iraniano que mostra a seleção de atores para um filme. O longa tem duas locações: A área externa de um ginásio com milhões( mesmo!) de pessoas no aglomero para fazer o teste e a parte interna do ginásio, com o diretor do filme e mais algumas pessoas fazendo o teste emque pessoas atuam para a seleção. É estonteante. É desafiador tentar desvendar o segredo do filme.

salve-o-cinema1

 Eu ainda não vi o “Moscou”, mas espero ansiosa para fazer uma resenha sobre esses dois filme, pois impugnar a fina linha entre ficção e documentário, e discutir a relação do cinema e a realidade desperta em mim um novo prazer em ir a sala de cinema.

 

www.etudoverdade.com

Quase cinema.

abril 1, 2009

tirinha1264

www.malvados.com.br